SONHOS

“O sonho é uma porta estreita, dissimulada naquilo que a alma tem de mais obscuro e íntimo; essa porta se abre para a noite cósmica original, que continha a alma muito antes da consciência do eu e que a perpetuará muito além daquilo que a consciência individual poderá atingir. Pois toda a consciência do eu é esparsa; só o que pode entrar em relação com o eu é percebido. A consciência do eu, mesmo quando aflora as nebulosas mais distantes, é feita de enclaves bem delimitados. Mediante o sonho, inversamente, penetramos no ser humano mais profundo, mais geral, mais verdadeiro, mais durável, mergulhado ainda na penumbra da noite original, quando ainda estava no Todo e o Todo nele, no seio da natureza indiferenciada e despersonalizada. O sonho provém dessas profundezas, onde o universo ainda está unificado, quer assuma as aparências mais pueris, as mais grotescas, as mais imorais.”
C.G. JUNG - Psicologia em Transição

            Depois de trabalhar durante alguns anos com a hipnose e com a livre associação, Jung considerou os sonhos como a mais eficiente maneira de acessar os conteúdos mais profundos do inconsciente. Como lemos no pensamento acima, eles não são um resultado direto da mente racional, consciente, logo, não há artifícios enganadores; todas as máscaras e desejos ocultos e reprimidos vêm à tona sem o menor pudor, assim como muitos conteúdos da mente arcaica do homem  e da humanidade. É certo é que os conteúdos dos sonhos nascem do inconsciente no sentido de compensação psíquica, mas seu fim último e maior é a realização da consciência no processo de individuação.
Analisemos este comentário de Jung: “A técnica psicanalítica necessita, em certos casos, do acesso ao Inconsciente. E a pergunta é: Qual o caminho mais rápido e seguro para se chegar ao inconsciente? “O primeiro método aplicado foi a hipnose: o paciente era interrogado em estado de concentração hipnótica, ou então era induzido à produção espontânea de fantasias, no mesmo estado.” Jung achava, já naquele tempo, obsoleto e, muitas vezes, insatisfatória a hipnose como meio de acesso ao inconsciente.  Freud também a abandonou, optando pela interpretações dos sonhos e Jung reconhece ter sido ele o primeiro a demonstrar eficientemente o método.
            Jung analisou milhares de sonhos durante sua longa carreira como médico psiquiatra. Chegou a uma conclusão bastante curiosa : os sonhos não são imagens perdidas na nossa mente, mas constituem um material importantíssimo no processo de individuação. E mais. Na análise dos sonhos, constatou que eles seguiam uma sequência significativa, sendo as experiências da consciência no onírico não imagens soltas e sem nexo, mas revelações de um continuum em evolução e em constante transformação. Assim como no estado de vigília temos nossas metas e objetivos, no mundo onírico os sonhos tem uma continuidade que pode ser revelada através das interpretações simbólicas e da compreensão genuína de seu aparecimento.
            Durante alguns anos de pesquisa à obra de Jung fiz uma compilação das citações sobre sonhos, mas por motivo de espaço,  selecionei algumas, aos quais ofereço aos leitores
do Blog.
NATUREZA DOS SONHOS

 “O sonho é feito de detalhes aparentemente pueris, que despertam uma impressão de algo ridículo, ou então é de tal modo incompreensível em sua superfície, a ponto de deixar-nos desorientados. Por isso devemos sempre superar em nós mesmos uma certa resistência antes de conseguirmos desatar seu enredo complicado, através de um trabalho paciente. Quando penetramos no verdadeiro sentido de um sonho, mergulhamos profundamente no segredo do sonhador e descobrimos com espanto que seu aparente absurdo é significativo ao mais alto grau e sua linguagem fala apenas das coisas extraordinariamente importantes e sérias da alma. Tal descoberta faz-nos sentir mais respeito pela velha superstição de que os sonhos têm um significado desconhecido, até agora, pela corrente racionalística do nosso tempo.”  Psicologia do Inconsciente

INTERPRETAÇÕES DOS SONHOS

                        “A arte de saber interpretar sonhos não se aprende nos livros. Métodos e regras são bons quando a gente consegue se virar também sem eles. Um verdadeiro saber só o tem quem sabe, e bom senso só o tem o sensato. Quem não se conhece a si mesmo não pode conhecer o outro. E em cada um de nós existe também um outro que nós não conhecemos. Fala-nos pelo sonho e nos diz quão diferente ele nos vê do que nós nos vemos. Se nos encontramos, pois, em situação de difícil solução, o outro estranho pode acender uma luz que muda radicalmente nossa atitude, exatamente aquela atitude que nos levou à situação difícil.” JUNG

SONHOS E O SI-MESMO

“Ocupar-se com os sonhos é uma espécie de tomada de consciência de si. Não é a consciência do eu que se dá conta de si mesmo, mas ocupa-se com o dado objetivo do sonho como um comunicado ou mensagem da psique inconsciente e oni-unitiva da humanidade. A gente se dá conta não do eu, mas sim daquele si-mesmo estranho que nos é próprio, que é nossa raiz da qual brotou, em dado momento, o eu. Ele nos é estranho porque dele nos alheamos através do extravio da consciência”. Psicologia do Inconsciente

“ Os símbolos do centro representam a meta. O desenvolvimento desses símbolos equivale mais ou menos ao processo de cura. O centro, isto é, a meta, tem portanto um sentido de salvação, na acepção própria desta palavra. A justificativa de uma tal terminologia decorre dos próprios sonhos que contêm muitas referências ao tema dos fenômenos religiosos. Parece-me claro que tais processos implicam os arquétipos formadores de religiões. Qualquer que seja a natureza da religião, não resta a menor dúvida de que seu aspecto psíquico, empiricamente constatável, reside nessas manifestações do inconsciente.” Psicologia e Alquimia

SIMBOLISMO DOS SONHOS

“A função compensatória se manifesta em conjunto de materiais psíquicos bem definidos, como por exemplo em sonhos, nos quais nada de ‘simbólico’ se encontra, como tampouco num chifre de bode. Para desvendar seu caráter simbólico, é necessária uma disposição consciente bem específica, a saber, a vontade de entender o conteúdo do sonho como simbólico. De início, como mera hipótese, deixando que a experiência da vida venha a decidir se é útil ou necessário, ou recomendável entender simbolicamente os conteúdos dos sonhos, em vista de uma orientação de vida”. Psicologia em Transição

SONHOS E O INCONSCIENTE

 “A repetição do sonho exprime a insistência do inconsciente em conduzir o conteúdo do sonho para a consciência.” Sincronicidade

SONHOS E SOMBRA

O inconsciente pessoal contêm lembranças perdidas, reprimidas (propositadamente esquecidas), evocações dolorosas, percepções que, por assim dizer, não ultrapassam o limiar da consciência (subliminais), isto é, percepções dos sentidos que por falta de intensidade não atingiram a consciência e conteúdos que ainda não amadureceram para a consciência. Corresponde à figura da sombra, que freqüentemente aparece nos sonhos. Psicologia do Inconsciente

SONHOS E ARQUÉTIPOS

 “Cada vez que um arquétipo aparece em sonho, na fantasia ou na vida, ele traz consigo uma ‘influência’ específica ou uma força que lhe confere um efeito numinoso e fascinante ou que impele a ação”. Psicologia do Inconsciente


SONHOS - DIVERSOS

“Quando aconselho a meu paciente: ‘Preste atenção em seus sonhos’, quero dizer o seguinte: ‘Volte ao ser mais subjetivo, à fonte de sua existência, àquele lado onde você faz história do mundo sem o perceber. Sua dificuldade aparentemente insolúvel deve, evidentemente, ser insolúvel para que você não continue procurando remédios que sabemos de antemão serem ineficazes. Os sonhos são expressão de seu ser subjetivo e, por isso, podem mostrar-lhe a atitude errônea que o levou para este beco sem saída’.” Psicologia em Transição

Obrigado por visitar meu blog!


Aqui você encontrará alguns artigos que escrevi nos últimos 15 anos e hoje compartilho com todos. Tenho formação em Psicologia e especialização em neuropsicologia, com experiência em atendimento clínico e hospitalar. Fundei o Instituto Órion de Psicologia e Desenvolvimento Humano(3710.7477)e também atendo na Associação dos funcionários da Universidade de Brasília (ASFUB/UnB) e no Instituto Médico Seraphis(3468.6489).

Minha abordagem com os pacientes segue uma vertente "humanista". Como um eterno investigador, pesquiso todos os campos da psicologia e não participo da  ideia que devemos eleger apenas uma abordagem e segui-la. Acredito, como um diferencial particular, que o psicólogo deve ter um conhecimento amplo das diversas técnicas que a Psicologia oferece e aplicá-las conforme a necessidade do paciente e não buscar que ele se adeque à sua forma de pensar. Muito interessante é que muitos psicólogos de renome mundial na atualidade começaram a ver que este é um bom posicionamento, visto que o Homem é um Ser Integral e assim devemos tratá-lo. 

Dúvidas, sugestões, comentários e contatos, meu e-mail está divulgado nesta página. (alberto.maury@gmail.com)

Abraços! 

Alberto Maury